Translate

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Hinos Oficiais Igreja do Evangelho Quadrangular

Hinos Oficiais Igreja do Evangelho Quadrangular

                    DOWNLOAD

ADORADORES




ADORADORES OU LOUVADORES?

Todas as maneiras de nos relacionarmos com Deus podem ser chamadas de oração. Definimos oração como uma comunicação do homem com Deus. E essa comunicação pode ter objetivos distintos ou focos variados. Isto é, podemos nos comunicar com o Senhor para interceder por alguém, ou simplesmente para ficarmos mais perto Dele. Podemos pedir ou agradecer, louvar ou interceder, sorrir ou chorar com o Senhor.
São muitas as maneiras de irmos a Deus e podemos separá-las em três tipos ou formas:
  1. Quando Deus é o foco
  2. Quando nós somos o foco
  3. Quando o próximo é o foco
Cada um dos focos acima possuem subdivisões, gerando uma melhor definição e entendimento. O primeiro item pode ser dividido em louvor, ações de graças e adoração. O segundo item pode ser dividido em consagração e petição. O terceiro item pode ser definido por intercessão, sendo este um conceito de grande abrangência.
Mas, para que possamos ser diretos, estaremos indo ao primeiro foco, pois é o assunto que queremos abordar nesse estudo. Veremos brevemente alguns conceitos de quando temos Deus como o foco das nossas orações.
Ao colocarmos Deus como o centro de nossas orações, entramos em princípios de louvor, ações de graças e adoração.
Serão sobre esses três princípios que falaremos nesse pequeno estudo.
Em primeiro lugar, vamos às suas definições:
Louvor: Exalta as maravilhas e os feitos de Deus. É um cântico ou são expressões que saem da alma, embasadas em emoções. Exaltações por feitos indiscutíveis e inegáveis em sua grandeza, beleza, eficiência. Atos de enaltecimento a alguém ou alguma coisa; elogios, apologias.
Ações de Graças: Expressão de agradecimento ou apreço a Deus. É conhecida pelo homem universalmente. No Velho Testamento as encontramos nas ofertas especiais de ação de graças e nas várias festividades de Israel. No Novo Testamento somos exortados a sempre darmos graças a Deus pelo que Ele tem feito por nós. Resumidamente, são atitudes de gratidões.
Adoração: A adoração nos traz o sentido de reverência, homenagem em um ato, pensamento ou sentimento. Nos fala de “veneração”, “inclinar-se perante”, “beijar a mão”, “fazer reverência” (Dicionário Bíblico Wycliffe)
Estas são algumas breves definições sobre os princípios que estamos abordando.
É notório que um forte direcionamento da parte de Deus tem ocorrido para que a sua Igreja entenda e viva melhor esses princípios. É comum vermos uma grande ênfase dada ao ensinamento dos princípios de adoração nas igrejas e no meio de tudo isso, muitas coisas estão acontecendo. Coisas boas e corretas, mas também, muitas que não são tão boas e corretas.
Ainda que estejamos tratando de um conceito e princípio divino, sua essência pode ficar comprometida quando o modismo assume o comando do barco. Infelizmente o louvor, a adoração e a ação de graças entraram em modismo religioso e perderam muito da sua essência.
Sabemos que Deus têm procurado adoradores, mas com características especiais: precisam adorá-Lo em espírito e em verdade (Jo 4:23).
Temos notado que muitos podem louvar a Deus e também render a Ele ações de graças, mas quando se trata de adoração, poucos estão prontos. Vamos entender isso melhor.
Quantos enxergam em Jesus o criador de todas as coisas, aquele que morreu na cruz, o reconhecendo como Deus, mas escolhem não se envolver com Ele? Isso é possível! Reconhecer Jesus como Deus, ser grato por tudo o que Ele tem feito, ter um entendimento (ainda que seja plenamente mental) de que Ele sustenta todas as coisas, mas ainda assim não ter com Ele um relacionamento que caracterize adoração. Isso é possível!
Quantos povos vizinhos ao povo de Israel temiam ao seu Deus e declaravam palavras de louvor a Ele, reconhecendo sua grandeza. Mas nunca se envolveram com Ele.
Ainda que os termos louvor e ações de graças devam ser usados e praticados com toda a entrega de coração, muitos remetem louvor e gratidão a Deus sem se envolver com Ele. É tempo de definirmos em que esfera nos encontramos.
Somos somente “louvadores” ou somos de fato adoradores? Todo adorador remete ao Senhor louvor e ações de graças, mas nem todos os que louvam ou são gratos remetem ao Senhor genuína adoração.
Temos na Palavra uma pessoa que demonstra essa atitude com clareza. Em João 3:1 encontramos Nicodemos, um fariseu, uma autoridade entre os judeus. Sabemos que Nicodemos reconhecia a Jesus como Mestre, mas não se comprometia definitivamente com o Senhor. Em João 7:50, o encontramos em um momento em que a prisão de Jesus foi ordenada pelos fariseus, grupo ao qual Nicodemos pertencia, mas não cumprida pelos guardas. Nesse texto, apesar de ele ter se calado enquanto os fariseus tramavam prender Jesus, em um dado momento se manifestou apontando a hipocrisia dos próprios fariseus, com quem ele estava envolvido. O vemos também, em João 19:39 levando mirra e aloés ao túmulo de Jesus. Mas tudo isso na maior discrição!
Encontramos nesses textos e comportamentos de Nicodemos uma simpatia e afeição por Jesus, mas simpatia e afeição não geram comprometimento. As atitudes de Nicodemos demonstravam que ele temia os homens mais do que amava a Jesus e que não abria mão da sua vida para assumir a vida de Deus, o próprio Mestre e Senhor.
A adoração genuína nos leva a um alto nível de comprometimento. Faz-nos caminhar às claras com o que é adorado. Traz-nos satisfação e prazer declarar em alto e bom som que somos do Amado e Ele é nosso! Não procuramos Jesus no período da noite, de maneira secreta e discreta, como fez Nicodemos (Jo 3:2). Somos adoradores a plena luz do dia. Assumimos essa relação a nós mesmos, diante de Deus e diante dos homens. A temos como digna e excepcional! Oramos para que outros assumam esse relacionamento.
Outro exemplo. Digamos que trabalhemos em uma empresa onde temos um excelente patrão. Reconhecemos que somos tratados com lealdade e dignidade, identificamos nele um grande potencial administrativo, reconhecemos que a prosperidade da empresa está grandemente ligada ao seu desempenho intelectual e administrativo. Carregamos a consciência de que somos colaboradores daquela empresa, mas que a chave mestre está nas mãos do patrão. Nós o louvamos por isso, damos a ele, ou seja, ao patrão a honra, o louvor e os méritos por edificar e manter tal empresa.
Reconhecemos também que o salário recebido é digno e enxergamos que através desse salário temos tido condições de adquirir e suprir todas as nossas necessidades. Vemos nossos filhos em boas escolas e logo nos lembramos do bom salário que o patrão nos dá. De quão justo ele tem sido, reconhecendo todo o nosso esforço e nos pagando por isso. Rendemos a ele gratidão!
Mas, ainda se agirmos dessa forma, nosso relacionamento com ele não deixa de ser superficial e formal, por mais que reconheçamos seu comando e controle. Não há entrega ou intimidade. Correríamos o risco de não termos toda essa consideração, caso não fôssemos beneficiados em algo. A consideração está relacionada com a troca. Sempre haverá algo a dar e algo a receber nesse tipo de relacionamento.
A única porção que existe de intimidade nesse tipo de relacionamento é que usamos o que recebemos do relacionamento para o benefício da NOSSA intimidade.
Perceba. Louvamos e somos gratos ao nosso patrão, mas não o levamos para nossa intimidade. Levamos somente o que ele nos proporciona, como os benefícios e a segurança de estarmos em uma empresa sólida. Vivemos da maneira como determinamos e com quem quisermos. Perceberam a diferença?
Todos podem louvar e ser gratos a Deus, até mesmo aquele que ainda não foi feito filho de Deus. Todos podem entender que Ele sustenta tudo, mas nem todos querem levá-Lo para uma vida de intimidade. Nem todos querem gastar tempo se relacionando com Ele, admirando sua presença, rendendo-se aos seus pés, expondo-se por amor a Ele. Trabalhar para Ele e fazer tudo para Ele não é sinônimo de adoração. Pode ser apenas ativismo espiritual e isso qualquer bom administrador, com boa oratória e disposição pode fazer.
A adoração consiste em amarmos e nos entregarmos sem pensar em receber algo em troca. A adoração não tem conexão com favores – ainda que eles existam – mas tem relação com o próprio Deus. Ela não se relaciona com as circunstâncias. O adorador depende da pessoa a quem adora e não do que gira em torno dessa pessoa ou do que ela possa oferecer. A adoração nos aquece, nos move, nos conecta ao sobrenatural de Deus. Adoramos com nossa mente, mas também com nosso espírito. Nossa porção espiritual se conecta ativamente ao Espírito de Deus. Ocorre uma verdadeira combustão espiritual. É tremendo!
Sermos feitos verdadeiros adoradores, é um processo. Muitas vezes um difícil processo. Quando pensamos que nada vai abalar o nosso relacionamento com Deus, algo nos aflige e percebemos que não estamos tão firmados na pessoa de Deus, mas ainda estamos em muito, alicerçados no que Ele pode fazer por nós. Estamos acostumados a amar se Deus… “.
Temos transferido para Deus os nossos padrões de relacionamentos. Geralmente e inconscientemente amamos e adoramos se… Ainda que estejamos cheios de vontade de adorar a Deus em espírito e em verdade.
Muitos têm se intitulado verdadeiros adoradores, mas são somente aqueles que têm procurado ir diante de Deus para contemplar mais da sua face. Estes que tem ido a presença de Deus, talvez ainda não estejam completos, mas estão no caminho certo para tocarem o coração do Pai de maneira mais profunda a cada dia.
O que temos entendido é que aqueles que andam pelo genuíno caminho da adoração, já não se veem unicamente como “gerados para adorar”, mas para serem manifestos como filhos de Deus. O padrão de relacionamento é alterado, perdendo as características padronizadas por homens, perdendo a rigidez. Torna-se livre e desprovida de tudo o que é pré-estabelecido, assim como deveria ser o relacionamento de um pai com um filho. Passa-se então a criar um relacionamento de total dependência. Aquele que adora não se vê sem o que é adorado. O filho não se vê sem o Pai.
Retirar a presença do Pai é como passar por um processo de amputação. Sim é trágico e forte assim! Esse é o sentido! Viver sem Deus, sem a sua Presença, sem o Pai, não tem sentido!
Adorar é ir além dos anjos! Estes foram feitos para adorar a Deus, mas são criaturas de Deus. Nós temos o Espírito de Deus, somos filhos, temos a essência de Deus. Por isso vamos além. Não admiramos somente a Deus pelos grandes feitos.
Não somente O reconhecemos pela sua bondade e misericórdia. Mas temos a Sua própria vida em nós. Temos a Sua porção. Ele nos chama de filhos e nós o chamamos de Papai, Paizinho querido! Nós O adoramos! Amamos a Sua presença.
Lançamo-nos completamente a Ele e ali permanecemos. Queimamos por Ele!
A nossa intenção é que haja uma reflexão de qual relacionamento temos tido com Deus. Qual a profundidade e o que nos leva até Ele.
Sabemos que o desejo do coração de Deus é se relacionar conosco. E o nosso? Relacionamento demanda tempo e atenção.
Será que estamos dispostos a lançar mão de tudo para mergulharmos verdadeiramente em Deus? Somos de fato adoradores ou “louvadores”?
Não nos enganemos pelo fato de sermos gratos a Deus por pertencermos a um Reino de total provisão e segurança. Por Jesus ter se entregado por nós. Isso não nos torna adoradores, pois pode não passar de conceitos estabelecidos em nossa mente. Reconhecermos mentalmente que sem Deus não somos nada, não nos torna adoradores. Isso precisa ser revelado em nosso espírito, pois as coisas espirituais se discernem espiritualmente e não mentalmente. É comum encontrarmos pessoas que declaram amar Jesus, que dizem: ”Jesus para mim é tudo!”, mas O negam com suas próprias ações.
A adoração genuína é caracterizada por uma forte paixão pela presença de Deus. Essa paixão só é satisfeita quando vamos a Ele e bebemos d’Ele, nos alimentamos d’Ele. É um paradoxo alguém declarar que ama a Jesus, que O adora, mas que não sente saudades de Sua presença. É um paradoxo ministros de louvor que declaram que O amam, levantam suas mãos em público, até choram diante da congregação, mas não choram na doce presença de Deus quando estão a sós com Ele. Se não houver presença íntima com Ele, isso certamente acontecerá! Isso é trágico e nos conduz a caminhos de hipocrisia diante de Deus e dos homens. Esses são os “louvadores”. Não queimam por Jesus. Cumprem apenas um papel dentro das igrejas.
Perguntamos mais uma vez: O que seremos? Adoradores? Oraremos para que o Espírito venha nos incendiar? Manteremos a chama acessa? Ou seremos meros “louvadores”, nos assemelhando à multidão?
Deus já fez a Sua escolha, Ele nos quer por perto, mas isso já não depende mais dele. Hoje nós escolhemos qual será o nosso padrão de relacionamento com o nosso Pai. Escolhamos ser adoradores, queiramos queimar por Ele. Certamente, não nos arrependeremos!

MANDAMENTOS


OS MANDAMENTOS DE DEUS


 A Lei de Deus
A lei de Deus contém dez mandamentos. A Bíblia diz em Êxodo 20:1-1

“Então falou Deus todas estas palavras, dizendo: Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.

[1]Não terás outros deuses diante de mim.

[2]Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam, e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.

[3]Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão.

[4]Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho; mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia do sábado, e o santificou.

[5]Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.

[6]Não matarás.

[7]Não adulterarás.
[8]Não furtarás.
[9]Não dirás falso testemunho contra o teu proximo.
[10]Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.
Qual é princípio básico da lei de Deus? A Bíblia diz em Romanos 13:10 “O que ama ao seu próximo não lhe faz nenhum mal. Pois o amor é o cumprimento total da lei.”
A lei de Deus resume-se em amor. A Bíblia diz em Mateus 22:37-40 “Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.”

Jesus ajuda-nos a clarificar a nossa relação com a lei de Deus. A Bíblia diz em Mateus 5:17-18 “Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido.”
A lei de Deus oferece direcção na vida, não justificação. A Bíblia diz em Gálatas 2:15-16 “Nós, judeus por natureza e não pecadores dentre os gentios, sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, mas sim, pela fé em Cristo Jesus, temos também crido em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não por obras da lei; pois por obras da lei nenhuma carne será justificada.”
É nosso dever obedecer a lei de Deus. A Bíblia diz em Eclesiastes 12:13 “Este é o fim do discurso; tudo já foi ouvido: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é todo o dever do homem.”

Qual é a relação entre a lei e o pecado? A Bíblia diz em 1 João 3:4 “Todo aquele que vive habitualmente no pecado também vive na rebeldia, pois o pecado é rebeldia.”
É necessário guardar todos os mandamentos? A Bíblia diz em Tiago 2:10-11 “Pois qualquer que guardar toda a lei, mas tropeçar em um só ponto, tem-se tornado culpado de todos. Porque o mesmo que disse: Não adulterarás, também disse: Não matarás. Ora, se não cometes adultério, mas és homicida, te hás tornado transgressor da lei.”

Podemos conhecer a Deus sem guardar os mandamentos? A Bíblia diz em 1 João 2:4-6 “Aquele que diz: Eu o conheço, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade; mas qualquer que guarda a sua palavra, nele realmente se tem aperfeiçoado o amor de Deus. E nisto sabemos que estamos nele; aquele que diz estar nele, também deve andar como ele andou.”
Qual é o propósito da lei? A Bíblia diz em Romanos 3:20 “Porquanto pelas obras da lei nenhum homem será justificado diante dele; pois o que vem pela lei é o pleno conhecimento do pecado.”
Podemo-nos salvar observando a lei? A Bíblia diz em Romanos 3:27-31 “Onde está logo a jactância? Foi excluída. Por que lei? Das obras? Não; mas pela lei da fé. Concluímos pois que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei. É porventura Deus somente dos judeus? Não é também dos gentios? Também dos gentios, certamente, se é que Deus é um só, que pela fé há de justificar a circuncisão, e também por meio da fé a incircuncisão. Anulamos, pois, a lei pela fé? De modo nenhum; antes estabelecemos a lei.” 

BATISMO


BATISMO NAS ÁGUAS

 Batismo
Que ato está associado com a crença do evangelho? A Bíblia diz em Marcos 16:15-16 “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.”
Quando as pessoas sentiram uma convicção no dia do Pentecoste, que lhes disse Pedro que elas teríam que fazer? A Bíblia diz em Atos 2:38 “Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo.”
Que representa o batismo? A Bíblia diz em Atos 22:16 “Agora por que te demoras? Levanta-te, batiza-te e lava os teus pecados, invocando o seu nome.”
De acordo com as Escrituras, quantos batismo há? A Bíblia diz em Efésios 4:5 “Um só Senhor, uma só fé, um só batismo.”
Como se descreve este batismo? A Bíblia diz em Romanos 6:2-7 “De modo nenhum. Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele? Ou, porventura, ignorais que todos quantos fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida. Porque, se temos sido unidos a ele na semelhança da sua morte, certamente também o seremos na semelhança da sua ressurreição; sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado. Pois quem está morto está justificado do pecado.”
Que aconteceu quando Jesus foi batizado? A Bíblia diz em Mateus 3:16-17 “Batizado que foi Jesus, saiu logo da água; e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito Santo de Deus descendo como uma pomba e vindo sobre ele; e eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.”
Em que nome são batizados os crentes? A Bíblia diz em Mateus 28:19 “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.”
Como e onde Felipe batizou o eunuco convertido? A Bíblia diz em Atos 8:36-39 “E indo eles caminhando, chegaram a um lugar onde havia água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? [E disse Felipe: é lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.] Mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e Filipe o batizou. Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco, que jubiloso seguia o seu caminho.”
Quais são os requisitos prévios para o batismo? A Bíblia diz em Atos 8:12 “Mas, quando creram em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus e do nome de Jesus, batizavam-se homens e mulheres.”

HOMOSSEXUALISMO


HOMOSSEXUALISMO

  Homossexualidade / Homossexualismo
Que diz a Bíblia sobre a homossexualidade? A Bíblia diz em Romanos 1:26-27 “Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro.”
É a homossexualidade um pecado? A Bíblia diz em Levítico 18:22 “Não te deitarás com varão, como se fosse mulher; é abominação.”
Pode uma pessoa que pratica a homossexualidade ir para o céu? A Bíblia diz em 1 Coríntios 6:9 “Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas.”
Como todos os pecadores, aqueles que praticam a homossexualidade devem se arrepender. A Bíblia diz em 1 Timóteo 1:10-11 “Para os devassos, os sodomitas, os roubadores de homens, os mentirosos, os perjuros, e para tudo que for contrário à sã doutrina, segundo o evangelho da glória do Deus bendito, que me foi confiado.”
Devemos abandonar qualquer ação de pecado e necessitamos o perdão de Deus. A Bíblia diz em 1 Coríntios 6:11 “E tais fostes alguns de vós; mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.”
Há esperança para aquele que pratica a homossexualidade. A Bíblia diz em 1 Coríntios 10:13 “Não vos sobreveio nenhuma tentação, senão humana; mas fiel é Deus, o qual não deixará que sejais tentados acima do que podeis resistir, antes com a tentação dará também o meio de saída, para que a possais suportar.”
Se você estás praticando a homossexualidade, que deve fazer?
Primeiro, reconhecer o seu pecado. A Bíblia diz em Salmos 51:2-4 “Lava-me completamente da minha iniqüidade, e purifica-me do meu pecado. Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.”
Segundo, pedir que o seu pecado seja perdoado. Deus diz que pode começar uma vida nova. A Bíblia diz em Salmos 51:7-12 “Purifica-me com hissopo, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve. Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que se regozijem os ossos que esmagaste. Esconde o teu rosto dos meus pecados, e apaga todas as minhas iniqüidades. Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito estável. Não me lances fora da tua presença, e não retire de mim o teu santo Espírito. Restitui-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário.”
Terceiro, acreditar que Deus lhe perdoou deveras e parar de se sentir culpado. A Bíblia diz em Salmos 32:1-6 “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não atribui a iniqüidade, e em cujo espírito não há dolo. Enquanto guardei silêncio, consumiram-se os meus ossos pelo meu bramido durante o dia todo. Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado, e a minha iniqüidade não encobri. Disse eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a culpa do meu pecado. Pelo que todo aquele é piedoso ore a ti, a tempo de te poder achar; no trasbordar de muitas águas, estas e ele não chegarão.”




  Sexo
O sexo é um dom que Deus dá às pessoas casadas para o prazer de ambos. A Bíblia diz em Provérbios 5:18-19 “Seja bendito o teu manancial; e regozija-te na mulher da tua mocidade. Como corça amorosa, e graciosa cabra montesa saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê encantado perpetuamente.”
A Bíblia recomenda que o romance e o dom de sexualidade sejam usados no contexto do casamento. A Bíblia diz em Hebreus 13:4 “Honrado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, Deus os julgará. ” A Bíblia diz em 1 Coríntios 7:3-4 “O marido pague à mulher o que lhe é devido, e do mesmo modo a mulher ao marido. A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido; e também da mesma sorte o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher.”
Deus criou o sexo como parte do casamento. A Bíblia diz em 1 Coríntios 7:5 “Não vos negueis um ao outro, senão de comum acordo por algum tempo, a fim de vos aplicardes à oração e depois vos juntardes outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.”
Para que não causemos danhos a nós mesmos, os desejos e as actividades sexuais devem ser mantidas sob o control de Cristo. A Bíblia diz em 1 Tessalonicenses 4:3-5 “Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santidade e honra, não na paixão da concupiscência, como os gentios que não conhecem a Deus.”
O sétimo mandamento proíbe o adultério. A Bíblia diz em Êxodo 20:14 “Não adulterarás.”
O pecado sexual é destrutivo mesmo que não se vejam as consequências imediatamente. A Bíblia diz em 1 Coríntios 6:18 “Fugi da prostituição. Qualquer outro pecado que o homem comete, é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.”
Como começa o pecado sexual? A Bíblia diz em Mateus 5:28 “Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.”
A Bíblia condena o comportamento homossexual. A Bíblia diz em Romanos 1:26-27 “Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro.”
A Bíblia proíbe o incesto. A Bíblia diz em Levítico 18:6 “Nenhum de vós se chegará àquela que lhe é próxima por sangue, para descobrir a sua nudez. Eu sou o Senhor.”
A Bíblia proíbe a bestialidade. A Bíblia diz em Levítico 18:23 “Nem te deitarás com animal algum, contaminando-te com ele; nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele; é confusão.”
A Bíblia proíbe relações sexuais com uma prostituta. A Bíblia diz em 1 Coríntios 6:15-17 “Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei pois os membros de Cristo, e os farei membros de uma meretriz? De modo nenhum. Ou não sabeis que o que se une à meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque, como foi dito, os dois serão uma só carne. Mas, o que se une ao Senhor é um só espírito com ele."






O SEXO NOS TEMPOS BÍBLICOS


Ao que parece, a média dos casais nos tempos bíblicos tinha uma vida sexual normal, satisfatória. infelizmente, a maior parte das vezes em que a Bíblia aborda a questão do sexo, focaliza o lado problemático dele.

É provável que alguns dos assuntos que hoje nos preocupam não constituíssem questões sérias durante os tempos bíblicos. Os escritores bíblicos não mencionam, por exemplo, o problema da masturbação, pois o período de espera entre a puberdade e o casamento era muito pequeno.


A atitude das pessoas para com o sexo variava muito de acordo com a época e com as circunstâncias. Os israelitas sofreram grandes pressões no sentido de adotarem as práticas hedonistas a qual e idolatria normalmente estava associada. Houve ocasiões em que eles cederam, e Deus os castigou severamente. Entretanto, suas leis e sistemas de valores rejeitavam essa forma de vida em que o prazer era o supremo objetivo da existência. Por causa disso, os israelitas estavam sempre censurando e repudiando a devassidão.

Mas, apesar de todas as dificuldades relacionadas com o sexo, eles não tomaram a posição extrema oposta; rejeitaram também o asceticismo. Compreenderam que embora não pudessem deixar que o prazer sexual os dominasse, também não poderiam ignorá-lo. Embora não houvesse uma educação sexual formalizada, eles tinham muitas oportunidades de conversar sobre o assunto. A questão da circuncisão, por exemplo, bem como alguns outros textos bíblicos que eles liam com frequência, exigiam alguns esclarecimentos.

Eufemismos
Em alguns pontos os autores bíblicos parecem um pouco ousados em relação ao nosso modo de falar. Mas, em outros, parecem relutantes em mencionar diretamente a prática sexual. A Bíblia usa largamente termos como "seios" e "ventre"; mas parece evitar os vocábulos que designam os órgãos genitais. Outras questões abordadas com certa frequência são a concepção, a gravidez e o parto. A palavra "prepúcio" também é muito empregada devido à grande importância da circuncisão para o povo. O vocábulo "lombos" pode designar toda a parte inferior do corpo, mas el alguns textos refere-se aos órgãos genitais ( Gn 35.11 - I.B.B.).

Paulo também faz uso de muitos eufemismos, ao descrever as partes do corpo, comparando-as ao corpo espiritual. Quando fala dos órgãos que "não são decorosos" parece estar se referindo aos genitais e aos de excreção (I Co 12.23,24).

Outro termo cujo o emprego não está muito claro é "pés". Em vários textos o sentido dele é literal, mas em outros parece ser uma referência aos órgãos genitais. Algumas versões contêm a expressão "cobrir os pés" que significa "defecar" (Jz 3.24; I Sm 24.3). Existe também uma grande divergência de opiniões quanto aos sentido da palavra "pés" na história de Rute (3.4-7).

Geralmente quando a Bíblia menciona a questão da prostituição masculina cita o fato diretamente, em termos claros. Mas há casos em que usa a expressão "sodomia", que obviamente é uma referência aos sodomitas (Dt 23.18). Isso parece indicar que a principal função do prostituto (homem) era manter relação sexual com homens, embora às vezes se relacionasse com mulheres.

A expressão, "uma só carne" empregada por Paulo (Ef 5. 31), encontrada também em outras passagens designa claramente a união física, o ato sexual. Outras palavras usadas com o mesmo sentido são "conhecer" e "amar".

A palavra "carne" ás vezes indica o desejo ou o ato sexual. Contudo, de um modo geral, o sentido dela é mais amplo, sugerindo qualquer experiência no plano físico, em contraste com a espiritual.

Sexo no Casamento
O ato sexual praticado entre marido e mulher tinha duas finalidades: gerar filhos e proporciona-lhes prazer. Os judeus não viam o sexo como um problema, nem como um fardo.

A abordagem do assunto feita por Paulo é altamente esclarecedora (I Co 7.1-7), pois ele argumenta que o casal devia manter relações sexuais regularmente. E não só a mulher tinha o dever de proporcionar prazer ao marido, mas este tinha também a responsabilidade de dar prazer a ela. Ele recomendava cerdo domínio próprio, mas reconhecia a necessidade de as pessoas terem satisfação física. Isso demonstra que o sexo era visto também como fonte de prazer. Então os casais muitas vezes desfrutavam do prazer sexual sem a intenção de gerar filhos, sem nenhum sentimento de culpa. Isso era muito importante para eles, se levarmos em consideração as grandes tentações sexuais a que estavam expostos em contato com as culturas vizinhas. O texto dá a entender também que a mulher podia perfeitamente admitir sua necessidade de ter um relacionamento sexual. Paulo fala disso como de coisa normal, e ensina que o homem sábio deveria atender aos desejos de sua esposa.

O livro de Cantares apresenta expressões e imagens sexuais bastante ousadas. Quem lê essa obra vê-se diante de descrições dos detalhes íntimos de um casamento. O autor admira os seios de sua amada (4.5; 7.3-7), e fica fascinado com seus doces beijos (4.11). Ela , por sua vez, aprecia os afetuosos abraços dele (8.3), o seu falar doce (5.16) e suas pernas (5.15).

Esse livro, de conteúdo tão sensual, fala da experiência sexual de forma muito aberta e franca, e era aceito como obra da cultura judaica.

A Bíblia contém algumas diretrizes para o sexo no casamento, que também foram ensinadas aos cristãos primitivos. Os casais deveriam exercitar domínio próprio de modo que pudessem desempenhar suas responsabilidades normais. Paulo, por exemplo, reconhece que o casal tem o direito de se abster do sexo para se dedicar inteiramente à oração. Ele ensina também que o indivíduo não deveria utilizar o sexo apenas para sua satisfação pessoal, mas cada um tinha o dever de atender às necessidades do seu cônjuge (I Co 7.1-7).

A Bíblia não impõe restrições à maneira como o casal deve praticar o ato sexual. Não há proibições nem prescrições sobre a prática sexual das pessoas casadas.

Sabemos que era a prática do ato sexual que selava o casamento. Após a cerimônia e a troca de presentes, a relação sexual era o que determinava que eles se encontravam realmente casados. O amor físico da noiva devia "atrair" e "embriagar" o marido (Pv 5.15-19). O leito nupcial devia ser sem mácula, protegido de influências externas (Hb13.4,5). Isso pode ser uma decorrência do princípio bíblico de que o marido deveria ficar em casa todo o primeiro ano de casamento para dar "felicidade" à mulher (Dt 24.5).

Ao falar sobre o relacionamento conjugal, o apóstolo paulo aconselha os casais a não se privarem um ao outro, pois já sabia das muitas dificuldades do relacionamento conjugal (1Co 7.3-5). A seu ver, o homem que tivesse uma vida sexual satisfatória dentro de casa, teria mais forças para resistir às tentações que enfrentaria lá fora.

A Prostituição Associada à Religião
As religiões pagãs das culturas vizinhas, que várias vezes contaminaram os israelitas, costumavam promover algum tipo de prostituição cultual, que geralmente estava associada com o conceito de fertilidade. Quando um agricultor queria obter colheitas mais fartas ou rebanhos mais produtivos precisava recorrer aos deuses da fertilidade. Se uma mulher desejasse ter filhos, e não os tinha, teria que fazer o mesmo. E uma das formas de agradar a esses deuses eram manter relações sexuais com as prostitutas ou prostitutos que se encontravam no templo para este fim. Embora isso possa parecer muito estranho, o fato é que essa prática era bastante comum, e durou até os tempos do Novo Testamento. E muitas vezes ela foi associada também ao culto de Jeová.

Os israelitas tinham contato com prostitutas cultuais já no início de sua história como nação. No sinistro relato da morte de Zimri, filho de Salu (Nm 25.1-8), lemos que Zimri, um israelita, levou uma midianita para participarem dos ritos sexuais na tenda. Quando o sacerdote Finéias ficou sabendo do que estava se passando, foi à tenda e , num único golpe, atravessou os dois com uma lança.

As cerimônias pagãs às vezes se tornavam tumultuadas e sangrentas. Bebia-se muito vinho, como tributo a Baal, pedindo-lhe boas colheitas. Havia também sacrifício de crianças ao deus Moloque ou a Quemós, um deus moabita.

Além de cometer a devassidão simplesmente pelo prazer de fazê-lo, os povos que praticavam esses atos religiosos pareciam crer que eles de fato tinham efeitos positivos. Já se encontraram muitas imagens de deuses da fertilidade. Algumas dessas esculturas eram representações de mulheres grávidas, e provavelmente ficavam na casa daqueles que as adoravam. Outras figuras representam mulheres segurando o seio.

Uma das razões por que Deus mandou que os cananeus fossem exterminados era justamente sua religião maligna. Mas como Israel não executou a ordem, esse povo continuou a praticar livremente sua religião e em várias ocasiões corrompeu a vida religiosa dos judeus com ela. O povo de Israel era constantemente tentado a adotar a prostituição em sua prática religiosa, apesar de a lei proibi-la expressamente (Dt 23.17,18).

Durante a época dos juízes, por exemplo, os israelitas adotaram muitas das práticas cruéis e imorais dos cultos de fertilidade (Jz 8.33). Mas isso foi apenas o começo do seu processo de desobediência. Mas tarde, metade da tribo de Manassés abraçou a religião da prostituição (1 Cr 5.25). Os filhos de Eli se deitavam com mulheres que serviam à porta da tenda da congregação (1 Sm 2.22), e que talvez fossem prostitutas. No reinado de Roboão, rei de Judá, havia homens que se prostituíam, cuja atividade era associada aos templos devotados ao culto da fertilidade (1 Rs 14.23,24). E durante toda a sua história, em várias ocasiões, Israel se envolveu no culto a Baal, que em muitos casos incluía a prática da prostituição (2 Cr 33.3).

Nem todos os israelitas participavam desses cultos pagãos, mas todos estavam cientes da existência deles. Houve vários reis justos que realizaram reformas religiosas e acabaram com grande parte dessa atividade (1 Rs 23.7). Mas nenhum deles conseguiu resultados permanentes (Ez 16.5-58). E até nos dias de Cristo e nos de Paulo, ainda se praticavam alguns desses cultos ímpios em várias partes do mundo. Diz um historiador que todas as mulheres tinham que passar algum tempo em um templo prostituindo-se em honra a Vênus.


O ACRO-CORINTO TEM UMA  ALTURA DE 450 METROS ACIMA DO
NÍVEL DA CIDADE DE CORINTO. NO ALTO DESSE PENHASCO, FICAVA
O TEMPLO DE AFRODITE, A DEUSA DO AMOR, ONDE HAVIA MAIS DE
1000 PROSTITUTAS CULTUAIS, A SERVIÇO DA DECADENTE POPULAÇÃO 
DESSA CIDADE.

Na época em que Paulo escreveu à igreja de Corinto, havia mil prostitutas no templo da deusa Afrodite, na acrópole da cidade. E a grande prosperidade financeira do lugar se devia em larga escala à popularidade desse culto. A reputação da cidade nesse particular era tal que o termo "mulher de Corinto" passou a ser sinônimo de prostituta. Por isso, quando o apóstolo escreveu aos crentes desse lugar, sabia que estava-se dirigindo a pessoas que antes viam o sexo como uma forma de divertimento, sem conotações morais, e sem outra importância maior do que a de qualquer atividade física. E o ensinamento de que o homem que se unia a uma prostituta estava-se maculando constituía um conceito totalmente novo para eles (1 Co 6.15,16). Foi pelo fato de a prostituição ser tão generalizada que os pais da igreja recomendaram aos crentes novos que se abstivessem da imoralidade (At 15.29). É que os gentios daquela época não consideravam imorais muitos dos atos que hoje consideramos.

O homossexualismo ou Sodomia
A História mostra que o homossexualismo é quase tão velho quanto a humanidade, e que foi muito praticado durante o período bíblico. Sabendo-se que as nações vizinhas do povo de Israel havia tanta atividade sexual, principalmente nos templos pagãos, não temos dúvidas de que os hebreus não desconheciam a questão. Os escritores bíblicos parecem preocupar-se principalmente com o homossexualismo que era associado ao culto religioso, já que erra essa a forma básica em que eles tomavam contato com tal prática. Hoje em dia ele não esta mais relacionado diretamente com atos religiosos.

Nas Escrituras, às vezes o homossexualismo é chamado de "sodomia", que deriva dos nomes das cidades de Sodoma e Gomorra (Gn 18 e 19), que foram destruídas porque Deus não conseguiu encontrar ali nem dez justos (18.32). É possível que o termo "justo" aí designe pessoa que não fosse homossexual, já que capítulo seguinte o pecado focalizado é justamente esse (19.5). Provavelmente, o homossexualismo praticado em Sodoma, que constituiu um dos males da localidade, estivesse associado ao culto pagão, à prostituição cultual, que é mencionada em toda a Bíblia.

O autor de Deuteronômio achou necessário advertir os hebreus tanto homens quanto mulheres, que evitassem esse tipo de culto (Dt 23.17), mas durante o reinado de Roboão passaram a existir templos nos outeiros, que empregavam prostitutos cultuais (1Rs 15.12). Contudo, os homossexuais só fora exterminados totalmente no reinado de Josafá (1Rs 22.47). Mas reapareceram no tempo do rei Josias.

Quando Paulo condena o homossexualismo masculino ou feminino (lesbianismo), ele também parece estar se referindo a um ato religioso, que sem dúvida estava bastante difundido ( Rm 1.23,24 ; 1 Co 6.9). O Império Romano era tão corrompido que os escritores romanos se achavam desesperançados quanto ao seu futuro. Conta-se que até mesmo a imperatriz Agripina, mulher de Cláudio, mãe de Nero, certo dia, sentindo-se muito entediada, resolveu sair do palácio naquela noite e ir divertir-se num bordel próximo. Existem algumas evidências de que vários dos primeiros imperadores eram homossexuais. Mais tarde, o imperador Domiciano (81-96 d.C.) tentou reduzir um pouco a prática, aplicando uma multa de dez mil sestércios a quem praticasse atos homossexuais.

Perversões
Os hebreus tinham verdadeiro pavor da ideia de um ser humano ter relação sexual com animais É possível que essa aversão tivesse raízes no desprezo deles pela mitologia pagã, onde há vários casos de práticas sexuais de seres humanos e animais. Além disso, eles tinham grande respeito pelo propósito de Deus na criação. A perversão sexual é severamente condenada nas Escrituras. Quem praticasse tais atos poderia até ser morto (Êx 22.19)

O Cano de Onã
Algumas pessoas gostam de criar normas para o comportamento sexual a partir da história de Onã (Gn 38.1-11). E a maioria delas faz interpretações errôneas. O irmão de Onã havia morrido, e sua mulher, Tamar, não tivera filhos. Judá, o pai dele, ordenou-lhe que cumprisse o levirato, isto é, que se casasse com Tamar, para que ela tivesse filhos. Onã obedeceu parcialmente, pois quando tinha relação sexual com ela deixava o sêmen cair na terra, para evitar que ela engravidasse. E Deus o matou por causa dessa desobediência. Mas esse castigo lhe foi aplicado por causa da sua recusa em obedecer o mandamento relacionado com o levirato, e não tem nada que ver com masturbação, coito interrompido ou qualquer outra prática sexual.

MILAGRES


MILAGRES E MARAVILHAS


Os milagres ajudam-nos a lembrar que nada é demasiado difícil para Deus. A Bíblia diz em Êxodo 14:21-22 “Então Moisés estendeu a mão sobre o mar; e o Senhor fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite, e fez do mar terra seca, e as águas foram divididas. E os filhos de Israel entraram pelo meio do mar em seco; e as águas foram-lhes qual muro à sua direita e à sua esquerda.”
Os milagres ajudam a ressaltar o poder e a divindade de Jesus. A Bíblia diz em João 2:11 “Assim deu Jesus início aos seus sinais em Caná da Galiléia, e manifestou a sua glória; e os seus discípulos creram nele.”
Os milagres nunca devem eliminar a necessidade de uma fé pessoal em Cristo. A Bíblia diz em João 20:29-31 “Disse-lhe Jesus: Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram. Jesus, na verdade, operou na presença de seus discípulos ainda muitos outros sinais que não estão escritos neste livro; estes, porém, estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.”
Os milagres confirmaram o ministéro da Igreja Primitiva. A Bíblia diz em Atos 5:16 “Também das cidades circunvizinhas afluía muita gente a Jerusalém, conduzindo enfermos e atormentados de espíritos imundos, os quais eram todos curados.”
Ainda que os milagres sejam um sinal do poder de Deus, devemos ter cuidado pois Satanás também pode fazer milagres. A Bíblia diz em Apocalipse 16:14 “Pois são espíritos de demônios, que operam sinais; os quais vão ao encontro dos reis de todo o mundo, para os congregar para a batalha do grande dia do Deus Todo-Poderoso.” 


 Cura
Um aspecto importante do ministério de Jesus era curar fisica e espiritualmente. A Bíblia diz em Mateus 4:23 “E percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino, e curando todas as doenças e enfermidades entre o povo.”
O dom de curar fisicamente não é o dom mais importante que Deus dá. A Bíblia diz em Mateus 9:2 “E eis que lhe trouxeram um paralítico deitado num leito. Jesus, pois, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Tem ânimo, filho; perdoados são os teus pecados.”
Deus provee a cura física porque Ele quer que nos curemos espiritualmente. A Bíblia diz em Mateus 9:6 “Ora, para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados (disse então ao paralítico): Levanta- te, toma o teu leito, e vai para tua casa.”
Cristo deu-nos a cura espiritual ao morrer pelos nossos pecados. A Bíblia diz em Isaías 53:4-5 “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”
Os milagres de cura confirmaram o ministério da igreja primitiva . A Bíblia diz em Atos 5:16 “Também das cidades circunvizinhas afluía muita gente a Jerusalém, conduzindo enfermos e atormentados de espíritos imundos, os quais eram todos curados.”
Ainda que os milagres sejam um sinal do ministério, devemos ter cuidado porque Satanás também pode fazer milagres. A Bíblia diz em Apocalipse 16:14 “Pois são espíritos de demônios, que operam sinais; os quais vão ao encontro dos reis de todo o mundo, para os congregar para a batalha do grande dia do Deus Todo-Poderoso.”
Os milagres nunca eliminam a necessidade de uma fé pessoal. A Bíblia diz em João 20:29-31 “Disse-lhe Jesus: Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram. Jesus, na verdade, operou na presença de seus discípulos ainda muitos outros sinais que não estão escritos neste livro; estes, porém, estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.”
A cura resulta da obediência às instruções de Deus. A Bíblia diz em Êxodo 15:26 “Se ouvires atentamente a voz do Senhor teu Deus, e fizeres o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, sobre ti não enviarei nenhuma das enfermidades que enviei sobre os egípcios; porque eu sou o Senhor que te sara.”
Deus pode até curar doenças incuráveis . A Bíblia diz em Salmos 107:20 “Enviou a sua palavra, e os sarou, e os livrou da destruição.”
A oração de fé, simbolizada pela unção de azeite, pode produzir cura. A Bíblia diz em Tiago 5:14-15 “Está doente algum de vós? Chame os anciãos da igreja, e estes orem sobre ele, ungido-o com óleo em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.”

  Doença
Uma excelente medicina preventiva é seguir o plano de Deus. A Bíblia diz em Êxodo 15:26 “Dizendo: Se ouvires atentamente a voz do Senhor teu Deus, e fizeres o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, sobre ti não enviarei nenhuma das enfermidades que enviei sobre os egípcios; porque eu sou o Senhor que te sara.”
A adoração a Deus livra-nos de doenças. A Bíblia diz em Êxodo 23:25 “Servireis, pois, ao Senhor vosso Deus, e ele abençoará o vosso pão e a vossa água; e eu tirarei do meio de vós as enfermidades.”
Jesus tem poder para curar doenças. A Bíblia diz em Mateus 4:23-24 “E percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino, e curando todas as doenças e enfermidades entre o povo. Assim a sua fama correu por toda a Síria; e trouxeram-lhe todos os que padeciam, acometidos de várias doenças e tormentos, os endemoninhados, os lunáticos, e os paralíticos; e ele os curou.”
A cura vem do Senhor. A Bíblia diz em Jeremias 17:14 “Cura-me, ó Senhor, e serei curado; salva-me, e serei salvo; pois tu és o meu louvor.”
Para que se possa curar de doenças, siga o plano de Deus. A Bíblia diz em Tiago 5:14-16 “Está doente algum de vós? Chame os anciãos da igreja, e estes orem sobre ele, ungido-o com óleo em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai, portanto, os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros, para serdes curados. A súplica de um justo pode muito na sua atuação.”
Não haverá nenhuma doença no céu. A Bíblia diz em Isaías 33:24 “E morador nenhum dirá: Enfermo estou; o povo que nela habitar será perdoado da sua iniqüidade.”

LIDERANÇA


LIDERANÇA

Os bons líderes delegam o trabalho e mostram apreciação pelo trabalho que os outros fazem. A Bíblia diz em Êxodo 39:43 “Viu, pois, Moisés toda a obra, e eis que a tinham feito; como o Senhor ordenara, assim a fizeram; então Moisés os abençoou.”
Os bons líderes reconhecem os seus limites. A Bíblia diz em Deuteronômio 1:9 “Nesse mesmo tempo eu vos disse: Eu sozinho não posso levar-vos.”
Os verdadeiros líderes servem uns aos outros. A Bíblia diz em Lucas 22:25 “Ao que Jesus lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que sobre eles exercem autoridade são chamados benfeitores.”
Os lideres devem dar o exemplo de ser bons trabalhadores. A Bíblia diz em Eclesiastes 9:10 “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque no Seol, para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.”
Trate os que estão sob a sua liderança como gostaria de ser tratado. A Bíblia diz em Lucas 6:31 “Assim como quereis que os homens vos façam, do mesmo modo lhes fazei vós também.”
Ser um lider nem sempre é fácil, mas não desista. A Bíblia diz em 2 Crônicas 15:7 “Vós, porém, esforçai-vos, e não desfaleçam as vossas mãos; porque a vossa obra terá uma recompensa.”
Um bom líder dá ouvido às direções de Deus. A Bíblia diz em Isaías 30:21 “E os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele; quando vos desviardes para a direita ou para a esquerda.”
Como deve ser um líder de Deus na igreja? A Bíblia diz em 1 Timóteo 3:1-7 “Fiel é esta palavra: Se alguém aspira ao episcopado, excelente obra deseja. É necessário, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher, temperante, sóbrio, ordeiro, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não espancador, mas moderado, inimigo de contendas, não ganancioso; que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da igreja de Deus?); não neófito, para que não se ensoberbeça e venha a cair na condenação do Diabo. Também é necessário que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em opróbrio, e no laço do Diabo.”
Deus dá ajuda ao líder que a necessite. A Bíblia diz em Tiago 1:5 “Ora, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não censura, e ser-lhe-á dada.”
Os bons lideres planejam com antecedência. A Bíblia diz em Lucas 14:28-30 “Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se senta primeiro a calcular as despesas, para ver se tem com que a acabar? Para não acontecer que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a zombar dele, dizendo: Este homem começou a edificar e não pode acabar.”
Um bom líder busca conselho de outros. A Bíblia diz em Provérbios 15:22 “Onde não há conselho, frustram-se os projetos; mas com a multidão de conselheiros se estabelecem.”
Um bom líder deve ser paciente. A Bíblia diz em Provérbios 16:32 “Melhor é o longânimo do que o valente; e o que domina o seu espírito do que o que toma uma cidade.”

MusicPlaylistView Profile
Create a playlist at MixPod.com

BEBIDA FORTE




O ÁLCOOL

Que dizem as Escrituras sobre o álcool, vinho e licor? A Bíblia diz em Provérbios 20:1 “O vinho é escarnecedor, e a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar não é sábio.”
Por que que as bebidas álcoolicas são perigosas? A Bíblia diz em Efésios 5:18 “E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito.”
Por que que reis e governantes não deveriam beber bebidas álcoolicas? A Bíblia diz em Provérbios 31:4-5 “Não é dos reis, ó Lemuel, não é dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte; para que não bebam, e se esqueçam da lei, e pervertam o direito de quem anda aflito.”
Com que outros pecados está a embriaguez classificada? A Bíblia diz em Gálatas 5:19-21 “Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: a prostituição, a impureza, … a idolatria, a feitiçaria, … as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus.”
Quais são os resultados dos que se entregam a excessos de comida e bebida? A Bíblia diz em Provérbios 23:20-21 “Não estejas entre os beberrões de vinho, nem entre os comilões de carne. Porque o beberrão e o comilão caem em pobreza; e a sonolência cobrirá de trapos o homem.”
Como afetam as bebidas alcoólicas aqueles que as tomam? A Bíblia diz em Provérbios 23:29-35 “Para quem são os ais? para quem os pesares? para quem as pelejas, para quem as queixas? para quem as feridas sem causa? e para quem os olhos vermelhos? Para os que se demoram perto do vinho, para os que andam buscando bebida misturada. Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente. No seu fim morderá como a cobra, e como o basilisco picará. Os teus olhos verão coisas estranhas, e tu falarás perversidades. Serás como o que se deita no meio do mar, e como o que dorme no topo do mastro. E dirás: Espancaram-me, e não me doeu; bateram-me, e não o senti; quando virei a despertar? ainda tornarei a buscá-lo outra vez.”
O suco de uva puro é uma benção para o homem. A Bíblia diz em Isaías 65:8 “Assim diz o Senhor: Como quando se acha mosto num cacho de uvas, e se diz: Não o desperdices, pois há bênção nele; …”




MusicPlaylistView Profile
Create a playlist at MixPod.com

Confira Também:

GRATIDÃO

“Até aqui nos ajudou o SENHOR.” 1 Samuel 7:12b O agradecimento é o minimo que todo homem pode fazer pois a Gratidão é o reconhecimento p...